Skip Navigation

Igreja de São Miguel, também igreja matriz e sé catedral - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Miguel, também igreja matriz e sé catedral

Outras Designações

Sé Catedral de Castelo Branco
Igreja Matriz de Castelo Branco

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Castelo Branco / Castelo Branco

Endereço / Local

Largo da Sé
Castelo Branco

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrições

Nota Histórico-Artistica

Com referências documentais conhecidas desde o século XIII, a igreja de São Miguel reveste-se de particular interesse, ao reflectir todo um percurso religioso e patrimonial de mais de oito séculos, que é também parte integrante da história da cidade. Percurso esse documentado pelas várias inscrições patentes na nave da igreja, alusivas às diferentes campanhas arquitectónicas de que hoje subsistem maioritariamente testemunhos barrocos e rococós, muito embora seja possível identificar vestígios da estrutura quinhentista no arco cruzeiro (RIBEIRO, 2002) ou mesmo de épocas anteriores nos contrafortes da capela-mor, e dependências revestidas por cruzarias de ogivas.
Recentemente, e no decorrer de obras de recuperação do imóvel (Março de 2004), foi descoberta uma necrópole medieval na zona exterior junto à cabeceira da igreja, com 32 sepulturas antropomórficas, em granito (que conservam as ossadas em bom estado), muito possivelmente, dos séculos XIV ou XV.
Com a elevação de Castelo Branco a Diocese, em 1771 (até 1882 quando foi anexada à Diocese de Portalegre), a igreja de São Miguel tornou-se Catedral, beneficiando das obras, de inícios do século XVI, que haviam destruído quase na totalidade os vestígios da estrutura medieval original. De facto, ainda antes de ser elevada a Catedral, a igreja teve várias campanhas, que remontam aos séculos XVII e XVIII com a reestruturação do arco triunfal cerca de 1608; a reedificação da igreja em 1682 por iniciativa do Bispo da Guarda D. Martins de Melo (os primeiros dois registos da actual fachada deverão remontar a esta época); a campanha decorativa de 1691 em que D. Frei Luís da Silva (Bispo da Guarda) patrocinou a introdução de telas de Bento Coelho da Silveira em oito capelas.
Do período posterior a 1771 data a reconstrução da capela-mor por Pedro Gonçalves (mestre pedreiro) em 1785, que incluiu ainda o retábulo e o órgão, a sacristia e a capela do Santíssimo; ou a inclusão de telas de Pedro Alexandrino para o retábulo-mor e capela do Santíssimo em 1791.
Em 1803 a igreja encontrava-se necessitada de nova intervenção de restauro, depois da queda da cobertura da nave, do coro, e do avançado estado de ruína da fachada e de uma das torres. Se bem que as obras destas últimas só tenham vindo a ser efectuadas em meados do século XX, as restantes permitiram actualizar a igreja em relação às novas exigências litúrgicas (LEITE, 1991, p. 54).
No conjunto do edifício, é de destacar não apenas a relevância das composições exteriores, de gosto assumidamente barroco (da campanha de 1682), ou já de cariz neo-clássico em determinados pormenores interiores mais tardios (como as pinturas das abóbadas da nave a capela-mor), mas também o papel fundamental atribuído à pintura, resultante da encomenda a Bento Coelho e Pedro Alexandrino, artistas que marcaram dois períodos diferenciados do barroco nacional.
O edifício actual, de planta longitudinal, com duas torres adossadas à fachada e sacristia também adossada, apresenta alçado principal imponente mas relativamente austero, com três portais a que correspondem, no registo superior, duas janelas e um nicho com a imagem de São Miguel a pisar o dragão, em pedra pintada. O interior, de nave única com alçados de dois registos, exibe seis altares laterais, de talha dourada com colunas torsas e pintura a óleo. Destaca-se a Capela do Santíssimo, revestida com mármores de cor branca, cinza e preta, e com a representação da Última Ceia (LEITE, 1991, p. 56).
Rosário Carvalho

Imagens

Bibliografia

Título

""Igreja de São Miguel da Sé de Castelo Branco", Reconquista"

Local

Castelo Branco

Data

2002

Autor(es)

RIBEIRO, João

Título

"Castelo Branco"

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

LEITE, Ana Cristina

Título

"Castelo Branco na História e na Arte"

Local

-

Data

1958

Autor(es)

-

Título

"Memorial Chronológico e Descriptivo da Cidade de Castelo Branco"

Local

Lisboa

Data

1853

Autor(es)

J.A. Porfírio Silva

Título

"Elementos para um inventário artístico do Distrito de Castelo Branco"

Local

Castelo Branco

Data

1976

Autor(es)

SALVADO, António

Título

"Dicionário Histórico e Documental dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses"

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

VITERBO, Francisco M. de Sousa

Título

"Monographia de Castello Branco"

Local

Elvas

Data

1891

Autor(es)

ROXO, António

Título

""Apontamentos para a História de Castelo Branco", Estudos de Castelo Branco"

Local

Castelo Branco

Data

1963

Autor(es)

CARDOSO, Eloy

Título

""Lembranças para a História do Bispado de Castelo Branco", Estudos de Castelo Branco"

Local

Castelo Branco

Data

1971

Autor(es)

DIAS, Jaime Lopes

Título

"Arte e Artistas na Beira Baixa"

Local

sl

Data

1998

Autor(es)

HORMIGO, José Joaquim Mendes

Título

"Jardim do Paço - novos contributos para o estudo dos recreios episcopais de Castelo Branco"

Local

Castelo Branco

Data

2001

Autor(es)

REGO DA SILVA, Pedro

Título

"Esboço Histórico da Cidade de Castelo Branco"

Local

Castelo Branco

Data

1979

Autor(es)

MARTINS, Anacleto Pires da Silva

Título

""Obras de Pedro Alexandrino de cara lavada", Raia - da Beira interior ao Alto Alentejo, n.º 56, pp. 38-41"

Local

Castelo Branco

Data

2004

Autor(es)

REGO, Pedro

Título

"Castelo Branco e o seu Alfoz, Achegas para uma Monografia Regional"

Local

Castelo Branco

Data

1953

Autor(es)

CARDOSO, J. Ribeiro