Skip Navigation

Torre e muralhas de Sagres - detalhe

Designação

Designação

Torre e muralhas de Sagres

Outras Designações

Fortaleza de Sagres

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Fortaleza

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Faro / Vila do Bispo / Sagres

Endereço / Local

Fortaleza de Sagres
Sagres
8650 Vila do Bispo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

Portaria n.º 469/87, DR, I Série, n.º 128, de 4-06-1987 (revogou a portaria anterior, repondo a delimitação de 1962) (ver Portaria)
Portaria n.º 550/86, DR, I Série, n.º 221, de 25-09-1986 (rectificou a delimitação constante da portaria anterior) (ver Portaria)
Portaria publicada no DG, II Série, n.º 128, de 30-05-1962

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

Descrições

Nota Histórico-Artistica

Fortaleza abaluartada, muito remodelada na segunda metade do século XVIII mas integrando um torreão quinhentista. Á entrada, salienta-se o portal neoclássico da Porta da Praça. O perímetro fortificado com baterias e canhões, compreende toda a Ponta de Sagres e engloba os antigos armazéns de apetrechos e as ruínas do paiol, bem como as casamatas, a casa dos capitães e as habitações da chamada "correnteza", que fecha a praça-de-armas pelo lado sul. A invulgar beleza paisagística e a presença historicamente atestada do Infante Dom Henrique (que aqui faleceu em 1460), deram a Sagres uma posição ímpar na mitografia nacional e contribuíram para a fama internacional do lugar, cuja história é indissociável da história do Promontorium Sacrum, região referenciada desde a mais remota Antiguidade e que corresponde à Costa Vicentina, desde a Ponta da Piedade ao Cabo de São Vicente e deste à Arrifana.
Neste verdadeiro Cabo do Mundo conhece-se uma das maiores concentrações de menires e recintos megalíticos da Europa. Aqui estava situada a Igreja do Corvo, onde foram depositadas as relíquias de São Vicente, num santuário de culto moçárabe que atraíu numerosos peregrinos até ao século XII, altura em que, por decisão de D. Afonso Henriques, as relíquias foram resgatadas para Lisboa.
Na Fortaleza de Sagres, para além da fruição do património natural e de um espectacular panorama sobre a enseada da Mareta e o Cabo de São Vicente, podem também visitar-se os vestígios da chamada Vila do Infante anteriores às muralhas setecentistas, designadamente a torre-cisterna, a chamada "rosa-dos-ventos", uma muralha corta-ventos (coroada de falsas ameias), os restos das antigas habitações e quartéis e a antiga paroquial de Nossa Senhora da Graça, que exibe um conjunto de lápides sepulcrais e onde, por razões de conservação, está actualmente instalado o retábulo barroco pertencente à capela de Santa Catarina do Forte do Belixe.
No século XX, a carga simbólica do local para a história dos Descobrimentos Portugueses fez surgir um grandioso projecto nacionalista para aqui erguer um monumento em Comemoração do Infante e da epopeia lusa, entretanto nunca executado. Em contrapartida, uma profunda intervenção dos Monumentos Nacionais (DGEMN), efectuada no âmbito das Comemorações Henriquinas de 1960, descaracterizou o lugar ao procurar devolver-lhe uma falsa autenticidade, por cópia da mais antiga imagem conhecida da Fortaleza de Sagres, contemporânea do ataque do corsário Drake, de 1587. Nos anos 90, e embora amputada da sua componente "comemorativa" - um memorial evocativo dos Descobrimentos, não executado - a intervenção arquitectónica para valorização do lugar, da autoria do arquitecto portuense João Carreira, incluiu a edificação de "obra nova" e, se bem que não isenta de polémica, transformou a parcela construída em centro útil de todo o promontório, ao criar um módulo de Exposições Temporárias e Centro Multimédia (numa reutilização dos antigos edifícios da chamada "correnteza"), um conjunto de lojas para divulgação de produtos culturais e uma cafetaria, possibilitando, paralelamente, introduzir ordenamento e manutenção em todo o conjunto histórico.
Os arranjos exteriores (ainda em curso), incluem a recuperação das arruinadas pré-existências aos baluartes do século XVIII, a valorização de todos os locais visitáveis do promontório e a criação de trilhos de descoberta da flora única deste lugar, com remoção das espécies infestantes (designadamente chorões). Os serviços da Fortaleza de Sagres funcionam, ainda, como núcleo técnico especializado de apoio às intervenções arqueológicas da Direcção Regional do IPPAR no Algarve.
PAF

Images

Bibliografia

Título

"Fortaleza de Sagres - Castelhano"

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

-

Título

"Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses"

Local

Lisboa

Data

1948

Autor(es)

ALMEIDA, João de

Título

"Sagres"

Local

Vila do Bispo

Data

1990

Autor(es)

GARCIA, José Manuel, CUNHA, Rui Manuel Maneira

Título

"Aspectos do reino do Algarve nos séculos XVI e XVII: a descrição de Alexandre Massaii (1621)"

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

GUEDES, Lívio da Costa

Título

"A freguesia da Vila de Sagres. Estudo histórico-monográfico"

Local

Sagres

Data

2000

Autor(es)

MARTINS, José António Jesus

Título

"Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I"

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

"Sagres. Mito e Realidade"

Local

Lisboa

Data

1997

Autor(es)

-

Título

"Algarve - Castelos, Cercas e Fortalezas"

Local

Faro

Data

2008

Autor(es)

MAGALHÃES, Natércia